sexta-feira, fevereiro 08, 2008

O SUL DA MEMÓRIA



Esse dom de surgires dentre a fria palidez da tarde, transforma-te num soluço submerso, entre a água e o brilho do sol, onde aguardo o milagre irrepetível da tua essência.

E assim, como testemunha silenciosa do Tempo, teimando em não me abandonar nas horas onde permanecem os clarões do vento, surges desse labirinto onde te encontras, como catedral de ébrio e fugaz desejo.

És o Sul da minha memória, e a semente perdida dos oásis, onde bebo melodias intactas dos pinhais de luz.

2 Comentários:

Blogger isabel mendes ferreira disse...

e tu o meu ao Norte. mais longe. e mais perto.



sempre.


sempre muito especial.


beijo.

12:52 da tarde  
Blogger isabel mendes ferreira disse...

....
poi andei à procura no "sul" de "contextos" que sustentassem as pictóricas exaltações...:)

e


nada.

ninguém quer ousar acrescentar mais ao já dito.

:)

o que confirma a tese de que...
está tudo bem...:)


abraço.

3:05 da tarde  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial


Subscribe Free
Add to my Page